Notícias

FEBRABAN alerta para golpes envolvendo cartões de crédito e débito

Certos golpes são mais comuns em momentos de grande aglomeração de pessoas nas ruas, como nesta época de carnaval; mas é preciso estar alerta o ano todo para evitar ser vítimas de criminosos

Nas épocas de festas com grandes aglomerações de pessoas, como o carnaval, são comuns relatos de problemas com segurança. Roubo de celulares e carteiras e golpes relacionados a cartões de crédito e débito, como o da troca de cartões e a transação com valor errado, são algumas das reclamações mais comuns de quem decide comemorar no meio da multidão.

O que muita gente parece esquecer é que as quadrilhas e os golpistas não tiram férias. Para evitar dor de cabeça, é preciso tomar cuidado ao longo do ano todo, não apenas durante as festas.

Quando o assunto é segurança e combate a fraudes e golpes bancários, o Brasil ocupa posição de destaque mundial. Os bancos investem anualmente cerca de R$ 2 bilhões em sistemas de tecnologia da informação (TI) voltados para segurança – valor que corresponde a cerca de 10% dos gastos totais do setor com TI.

“O Brasil foi um dos primeiros mercados mundiais a adotar o cartão com chip, no início da década, implementando em larga escala essa que é a solução mais segura que existe para o mercado de cartões de crédito e débito, pois dificulta a clonagem física dos plásticos”, diz Adriano Volpini, diretor da comissão de Prevenção a Fraudes da FEBRABAN – Federação Brasileira dos Bancos.

Os esforços realizados pelas instituições financeiras têm reduzido as possiblidades de atuação dos golpistas no ambiente dos bancos. Com isso, as quadrilhas passaram a direcionam os golpes para os clientes.

Muitos golpes usam a chamada engenharia social, armadilhas que os golpistas criam para obter dados, senhas e informações pessoais dos clientes. “Por ingenuidade, ao cair nesses golpes, os clientes entregam as senhas e outras credenciais de acesso aos criminosos”, explica Volpini. A FEBRABAN fez uma cartilha para ajudar a população a evitar cair nesses golpes. Ela está disponível neste link.

Para não ser vítima de quaisquer tipos de ações criminosas, os clientes devem estar sempre atentos e utilizar as soluções de segurança oferecidas pelo banco, optando, sempre que possível, por terminais eletrônicos com biometria e pelo uso de equipamentos confiáveis para transações via internet ou mobile banking, além de manter seus números de contato atualizados junto ao banco.

Conheça as principais fraudes

FALSO MOTOBOY

O que é?

O golpe começa com uma ligação ao cliente, de uma pessoa se passando por funcionário do banco, dizendo que o cartão foi clonado e que é preciso bloqueá-lo. Para isso, bastaria cortá-lo ao meio e pedir um novo pelo atendimento eletrônico. O falso funcionário pede a senha, e fala que, por segurança, um motoboy irá buscar o cartão. O que o cliente não sabe é que, com o cartão cortado ao meio, o chip permanece intacto, e é possível realizar diversas transações.

Como evitar?

Fique atento: nenhum banco pede o cartão de volta ou se oferece para retirá-lo. Então, desligue o telefone e consulte seu gerente sobre alguma irregularidade.

 

TROCA DE CARTÃO

O que é?

Ao entregar a maquininha para digitar a senha, o bandido se aproveita de alguma distração ou usa algum truque para desviar a atenção do comprador, que, sem perceber, digita a senha no campo de valor, em que aparecem os números digitados e não asteriscos. O golpista consegue, assim, roubar a senha. Ainda aproveitando a falta de atenção, ele troca o cartão e devolve um similar e até do mesmo banco. E o consumidor só vai perceber a troca ao tentar usar o cartão novamente.

Como evitar?

Fique sempre atento ao seu cartão e confira-o na devolução. Veja se a senha está sendo digitada na tela certa. Lembre-se que o campo de senha mostra apenas asteriscos, nunca os números digitados.

 

DUPLA OPERAÇÃO OU VALOR ERRADO

O que é?

O bandido finge que o cartão não passou na maquininha e alega um problema qualquer do aparelho. Em seguida, ele pega outra maquininha e cobra novamente o valor (o mesmo, ou maior). O truque só é percebido ao se conferir o extrato, que revela o prejuízo.

Como evitar?

Sempre peça e confira o recibo, para ver se a operação foi realizada corretamente. E, se algo der errado, você sempre pode pedir para cancelar a operação imediatamente.

 

CENTRAIS FALSAS

O que é?

Os bandidos ligam, dizem ser da central antifraude do banco e pedem dados confidenciais. Eles podem usar até recursos tecnológicos, como gravações e menus, iguais aos dos bancos para aumentar a confiança da vítima. Com essas informações e a senha fornecida, os criminosos conseguem alterar os bloqueios de segurança utilizados pelo banco, e conseguem, inclusive, limpar a conta bancária alvo do golpe.

Como evitar?

O banco nunca liga pedindo dados pessoais. Na dúvida, desligue o telefone e avise seu gerente.

 

TROCA DE CARTÃO NO CAIXA AUTOMÁTICO

O que é?

Enquanto o cliente usa o caixa eletrônico, o bandido se aproxima e oferece ajuda. Após ver a vítima digitar a senha, ele troca o cartão sem ser notado, e, com isso, realiza saques e compras. Até o golpe ser notado, o prejuízo será bem grande.

Como evitar?

Aceite ajuda apenas de funcionários identificados e nunca forneça sua senha. Na dúvida, chame o gerente do banco.

 

PÁGINAS, EMAILS E SMS FALSOS

O que é?

A pessoa recebe um e-mail ou mensagem com ofertas tentadoras e atrativas, com links que, na verdade, direcionam para um site falso. Acreditando se tratar de uma página confiável, o consumidor fornece dados sigilosos, como número de cartão e senhas. Com essas informações, o bandido realiza transações, burla bloqueios de segurança, desbloqueia cartões e confirma dados.

Como evitar?

Sempre verifique se o endereço da página é o correto. Além disso, nunca acesse links ou anexos de e-mails suspeitos. Mantenha seu sistema operacional e antivírus sempre atualizados.

APPS MALICIOSOS

O que é?

Um e-mail é enviado com um link que, ao ser clicado, instala um vírus no aparelho ou equipamento e dá aos bandidos acesso ao dispositivo. Com isso, eles conseguem acessar dados bancários no computador e realizar transações.

Como evitar?

Mantenha seu sistema operacional e antivírus sempre atualizados e não clique em links suspeitos.

TROCA DE CHIP DO CELULAR

O que é?

Após o bandido obter dados pessoais de um usuário, ele liga na companhia telefônica passando-se pelo cliente e solicita o bloqueio da linha. Com documentos falsos, ele se dirige a uma loja da operadora de celular e habilita um novo chip de celular com o mesmo número daquele bloqueado, mesmo sem ter roubado o aparelho. Depois de ter conseguido o número da conta corrente ou do cartão de crédito, utilizando algum outro método fraudulento, o golpista passa a usar o banco, passando-se pelo cliente verdadeiro. Como o criminoso cancelou a linha telefônica da vítima, o correntista fica sem receber alertas de compras ou códigos de segurança (ex. Token SMS), enviados pela instituição financeira. Um indício deste golpe é quando o celular para de funcionar repentinamente.

Como evitar?

Proteja seus dados pessoais, inclusive nas redes sociais, e não revele nenhuma informação a desconhecidos. Quando perceber qualquer movimentação estranha em sua conta corrente ou poupança, ou notar que seu celular parou de funcionar repentinamente, avise o gerente da sua conta ou contate a operadora do seu celular.

Assunto
Período
>>BUSCA AVANÇADA
Diretoria de Comunicação da Febraban
Email: imprensa@febraban.org.br
Tel: 55 11 3244-9942/9831
Twitter: @febraban

Equipe:
Cleide Rodriguez - Gerente de Comunicação
Adriana Mompean - Assessora de Imprensa
Arthur Chioramital - Assessor de Imprensa
Anna Gabiatti - Assistente